TOP 100 DJMAG

The DJ MAG Magazine contest, “THE TOP100,” is widely known and awaited every year by all lovers of electronic music. Yet, few know what happens behind the scenes of this “best DJ’s” placement in the world!
It has been the subject of DJs’ irritation and jokes for years. Some big names in the electronic scene have already spoken publicly about the position of certain artists regarding others on this list.
Every year the number of people being part of voting for their favorite artists has increased, so I’ve decided to go deeper researching the subject and addressing some aspects that I consider important to reflect.

+++

O contest de Revista DJ MAG, “OS TOP 100”, é amplamente conhecido e aguardado todos os anos por todos os amantes da música eletrônica. Porém, poucos sabem o que acontece nos bastidores dessa coroação dos “melhores DJ’s” do mundo!
Há anos tem sido alvo de irritação e piadas por parte dos próprios DJ’s. Alguns nomes de peso da cena eletrônica já se pronunciaram publicamente quanto a posição de certos artistas em relação a outros nessa lista.
Anualmente o número de pessoas a participarem, votando nos seus artistas favoritos, tem aumentado e por isso resolvi me aprofundar, pesquisar sobre o assunto e abordar alguns aspectos que considero importantes para refletir. A baixo seguem links relacionados, onde se pode conferir a posição de alguns artistas sobre esse assunto.

DJ’S NEED TO BE PRODUCERS AND VICE-VERSA?

This is not new but, about four years ago a big name of the House Music scene already raised this question publicly:

“Why do non-producer DJs force themselves to make albums? What for? That’s the reason why there are so many mediocre crap out there! It’s funny how a new DJ is called a remixer / producer without even making an album. But unfortunately, DJs are “forced” to have a history of albums to be recognized and get gigs. What a farce! There are many non-DJs getting paid just because they made an album, not because they’re good DJs. Most of them suck! You can not play beyond your programmed set. Duh! And the real DJs who do not care or need to make albums are the ones who are suffering. What happened to “art”? Does anyone care? Obviously not! Shame. “- David Morales

Well, the years have passed by and this ‘reckoning‘ has only increased. Some say that the industry dictates this rule: “you will only succeed as a DJ if you also sell music!”

At the same time, with the popularity of electronic music and much faster and easier access to music through so many digital platforms, the general public has come to know who are the producers of their favorite tracks. So, the electronic music clubs / festivals were in a certain “skirt fair” because, to attract audiences, they would need a line up filled with successful producers.

People today know who the artists of the electronic scene they would like to see playing. And no matter what the mixing technique is, they do not know exactly what that means! That said, we clarify a fundamental point of these two careers, DJ and Producer: for each of these artistic categories totally different skills are needed, and being good at one does not mean being good at the other. They are two different art forms. 

The professional DJ needs a specific talent to pick the right tracks and play them at the perfect time. He has to be able to mix two or more songs at the same time, without the audience noticing this transition, keeping the track in a state of continuous excitement. It should create an atmosphere where each of the chosen songs shine, explode in the hearts of those who dance tirelessly! Many producers are not good DJs, just as the opposite is also true. And there are those who are good at both. 

But with this “new” industry requirement, DJs took different paths: some were frustrated because they wanted to just play their favorite tracks, some decided to take a step forward and seek the knowledge that would allow them to produce their own music, and others simply hired the famous “Ghost producers”. Each one with its different beliefs, limitations and ambitions. I confess that I have already “suffered” this collection from some of my agents: “Van, there are already many DJs on the market, if you want to stand out, you need to take a step forward and produce your songs.” 

Learning to produce requires a lot of time and dedication, and choosing this path is no guarantee of anything. People need to love the music you produce, you need money to invest in personal marketing and what you are producing. You need the right contacts and some open doors.

The truth is that technology forces everyone to reinvent themselves, because access to the tools has warmed the market, and anyone with a computer and the right software can be a DJ. Previously DJ’s played for 6-12 hours and it was not uncommon guys like TINI and Marco Carola to make sets of 30 hours without session. 

The big balcony was the arsenal that each DJ prepared for their gigs, always with hundreds of tracks never heard before and, most of the times, inaccessible to the general public. They were practically gods, always with the best and most obscure songs on the market. That long before “Shazam,” DJs from the ’70s to the’ 90s were the ones who dictated the rules. 

With this warmth in the market and so many DJs coming up, we had a drop in the quality of the technique presented, more and more extensive line ups and ever shorter sets. And every day more DJs becoming obsolete. It was then that demand for DJs / Producers arose, it would be a way to separate the “wheat tares”. 

And then again technological advances knock at our doorstep, there are more and more softwares to produce music and this new generation of DJs / Producers usually starts producing their own, without ever having presented itself as a DJ. 

In my opinion, the responsibility for preserving the “DJ culture” lies with the artists themselves, who have not developed new skills to stay in a more technological market. 

They use the new tools created by the software industry and “teams”, without creating new challenges for themselves during the presentation. Those who are accustomed to the easy playlist, the one that is sure will always work, and the so-called “beat matching”.

I do believe that there is room for all (the good ones)!

The DJ has become a star and today needs to know a lot more than mixing well, has to be very present in social networks, needs a certain talent as a blogger, has to create a style / opinion identity, build a strong network. 

Times have changed, my friends! To be a part of this game, you need to be complete and produce now part. 

If you’re not a DJ who plays “upside down,” who does things that neither does, then you need to produce yes.  Your music has to be good and take you as far as possible, until people want to see you in the booths …  But if you started producing, do not worry, if you do not know how to play, okay, most will not notice! (laughs)  The demand today is this, whether DJs get frustrated or not, it’s up to each one to follow his way, decide what makes his heart vibrate and fight for it. 

“Never give up on your dreams.” #DJLIFE 🙂

DJ’s Precisam ser Produtores e vice-versa?

Essa não é uma questão nova, há uns quatro anos um grande nome da cena House já levantava essa questão publicamente:

“Por que os DJs não produtores se obrigam a fazer álbuns? Por quê? É a razão pela qual há tantas porcarias medíocres lá fora! É engraçado como um novo DJ se chama remixer / produtor sem sequer fazer um álbum. Mas, infelizmente, os DJs são “obrigados” a ter um histórico de álbuns para serem reconhecidos e conseguirem shows. Que farsa! Há muitos não-DJs sendo pagos apenas porque fizeram um álbum, não porque são bons DJs. A maioria é uma porcaria! Não é possível reproduzir além de seu set programado. Duh! E os verdadeiros DJs que não se importam ou não precisam fazer álbuns são os que estão sofrendo. O que aconteceu com “a arte”? Alguém se importa? Obviamente não! Vergonha. ”- David Morales

Bem, os anos se passaram e essa ‘cobrança” só aumentou.
Alguns dizem que a indústria dita essa regra: “você só terá sucesso como DJ se também vender música!”
Ao mesmo tempo, com a popularidade que a música eletrônica alcançou e o acesso muito mais rápido e fácil às músicas, através de tantas plataformas digitais, o grande público passou a saber quem são os produtores das suas tracks favoritas. Sendo assim, os clubs/festivais de musica eletrônica ficaram numa certa “saia justa” pois, para atrair público, precisariam de um line up recheado de produtores de sucesso.
Atualmente as pessoas sabem quem são os artistas da cena eletrônica que gostariam de ver tocando. E não importa a técnica de mixagem, elas não sabem exatamente o que isso significa!
Dito isso, esclareçamos um ponto fundamental dessas duas carreiras, DJ e Produtor:
para cada uma dessas categorias artísticas são necessárias habilidades totalmente diferentes, e ser bom em uma não significa ser bom na outra. São duas formas de arte diferentes.
O DJ profissional precisa de um talento específico para escolher as tracks certas e tocá-las no momento perfeito. Ele tem que ser capaz de misturar duas ou mais músicas ao mesmo tempo, sem que o público perceba essa transição, mantendo a pista num estado de excitação contínuo. Ele deve criar uma atmosfera onde cada uma das músicas escolhidas brilhem, explodam nos corações dos que dançam incansáveis!
Muito produtores não são bons DJs, assim como o contrário também é totalmente verdadeiro. E existem aqueles que são bons em ambas.

Mas com essa “nova” exigência  da indústria, os DJs tomaram rumos diferentes: alguns se frustraram porque queriam apenas tocar suas tracks favoritas, alguns resolveram dar um passo à frente e buscar o conhecimento que lhes permitisse produzir suas próprias músicas, e outros simplesmente contrataram os famosos “Ghost producers”. Cada qual com suas crenças, limitações e ambições diferentes.
Confesso que eu mesma já “sofri” essa cobrança de alguns dos meus agentes: “Van, já existem muitos DJs no mercado, se você quer se destacar, precisa dar uma passo à frente e produzir suas músicas.”
Aprender a produzir  requer bastante tempo e dedicação, e escolher esse caminho não é garantia de nada. As pessoas precisam amar a música que você produz, você precisa de dinheiro pra investir no marketing pessoal e no que você está produzindo. Precisa dos contatos certos e de algumas portas abertas.
A verdade é que a tecnologia obriga a todos a reinventarem-se, porque o acesso às ferramentas aqueceu o mercado, e qualquer um com um computador e os softwares certos pode ser DJ.
Antigamente DJ’s tocavam durante 6-12 horas e  não era incomum caras como tINI e Marco Carola fazerem sets de 30 horas sem sessar.
A grande sacada era o arsenal que cada DJ preparava para suas gigs, sempre com centenas de tracks nunca antes escutadas e, na maioria das vezes, inacessíveis ao grande público.
Eram praticamente  deuses, sempre com as melhores e mais obscuras músicas do mercado.
Isso muito antes do “Shazan”, DJs dos anos 70 a 90 eram quem ditavam as regras.

Com esse aquecimento no mercado e tantos DJs surgindo, tivemos uma queda na qualidade da técnica apresentada, line ups cada vez mais extensos e sets cada vez mais curtos. E a cada dia mais DJs se tornando obsoletos.
Foi então que surgiu essa demanda por DJs/Produtores, seria uma forma de separar o “joio do trigo”.
E aí mais uma vez os avanços tecnológicos batem à nossa porta, existem cada dia mais softwares  para produzir música e essa nova geração de DJs/Produtores normalmente começa produzindo as suas próprias, sem nunca ter se apresentado como DJ.
Na minha opinião, a responsabilidade por preservar a “cultura DJ” é dos próprios artistas, que não desenvolveram novas habilidades para se manterem num mercado mais tecnológico.
Que usam as novas ferramentas criadas pela indústria de softwares e “equipos”, sem criarem novos desafios pra si mesmos durante a apresentação.  Os acomodados que se acostumaram com a playlist fácil, aquela que tem certeza que funcionará sempre, e o tal do “beat matching”.
Acredito, sim, que existe espaço para todos (os bons)!
O DJ se tornou um astro e, hoje, precisa saber muito mais do que mixar bem,  tem que ser muito presente nas redes sociais, precisa de um certo talento como “blogueiro”, tem que criar uma identidade de estilo/opinião, construir um network forte.

Os tempos mudaram, meus amigos! Para fazer parte desse “game”, você precisa ser completo e produzir agora faz parte.
Se você não é um DJ que toca de “cabeça pra baixo”, que faz coisas que nem um outro faz, então você precisa produzir sim.
Sua música tem que ser boa e levar você o mais longe possível, até que as pessoas queiram te ver nas cabines…

Mas, se você começou produzindo, não se preocupe, se você não souber tocar, tudo bem, a maioria não vai perceber! (risos)
A demanda hoje é essa, quer DJs se frustrem ou não, cabe a cada um seguir seu caminho, decidir o que faz vibrar seu coração e lutar por isso.
“Nunca desista dos seus sonhos.” #DJLIFE 😉

DO I WANNA KNOW


Artic Monkeys – Do I Wanna Know (Van Storck Bootleg)

GOOD MORNING COMMUNITY!
To start the day with some music cranked up as loud as possible,LoL, here goes a new Bootleg I’ve made on a track I love!! Free Download, of course! I would like to get some feedback from you if possible, because it is important to me in order to always improve the quality of what I make!!

BOM DIA COMUNIDADE!
Pra começar esse dia com o som no talo já ( hahahaha) segue o Bootleg que fiz dessa track q amo!! Free Download, lógico! Gostaria de receber feedback, se possível, é importante pra melhorar sempre a qualidade!!

A epidemia Tech House está de volta, mas será que podemos esperar alguma novidade no gênero?

Quando o Tech House surgiu, por volta de 1994 em Londres, foi muito bem recebido pela cena eletrônica pois combinava os melhores elementos do House e do Techno. As pessoas estavam um pouco entediadas com a House Music, sedentas por elementos mais marcantes, talvez com um pouco mais de obscuridade. E foi aí que o casamento com o Techno foi sacramentado.

O Tech House originalmente continha uma linha de baixo robusta e as batidas curtas, mais rápidas e metalizadas dos Hi-hats bem marcados, recebendo como complemento, não menos importante, a harmonia e grooves da House Music. Era fruto de uma produção limpa e minimalista, associada ao Techno de Detroid e Reino Unido. Na época, artistas como Charles Webster, Bushwacka,  Funk D’Void, Derrick Carter e Stacey Pullen iniciavam o movimento “Tech” em clubs como The End, que no Reino Unido era considerada a casa do Tech House.

Nos anos 2000 o estilo se espalhou pela Europa através da adesão de artistas como Carl Cox e Joris Voorn, tornando-se assim muito popular na cena underground. Mas como nem tudo são flores, em algum momento o gênero deixou de se reinventar, passando a ser produzido em série. Sempre com a mesma “receita de bolo”, caiu no “buraco negro”, no qual praticamente todos os sons da moda caem: o da mesmice. Faixas com uma linha de baixo de duas notas, loops de cymbals  extremamente barulhentos, e shots de vocais ininteligíveis. A maioria dos produtores apenas segue a “boiada”, com medo de inovar, e acabam tornando o gênero repetitivo, desinteressante e genérico. Tracks que serão esquecidas em cinco minutos, e talvez seja por esse motivo que poucos conseguem produzir as chamadas clássicas, as eternas que sempre serão atuais como “Body Language”- M.A.N.D.Y & Booka Shade (2006). Qualquer pessoa que acompanha os massivos lançamentos de Tech House nas plataformas de música, percebe a proliferação do gênero, com tracks clássicas das raves reembaladas, nossos antigos hinos transformados em bastardos mutantes. Não que isso já não tenha acontecido com outros estilos anteriormente…

Obviamente ainda podemos encontrar pérolas nesse marzão de reinterpretações medíocres e das fórmulas insistentes. Aqueles artistas que produzem um Tech House de respeito, tracks ousadas, com aquela linha de baixo rugindo e rasgando groove. Mas, os desse tipo, são totalmente engolidos e ofuscados pela massa dos produtores em série. E os DJ’s tem grande participação nisso tudo: existem os que usam o belo Tech House como uma ferramenta, aqueles que selecionam suas tracks pela construção, pela surpresa que cada uma delas apresenta no decorrer da história que está contando. Existem os que usam como muleta, selecionando os bootlegs de músicas consagradas, forçadas a se enquadrarem no gênero. Djs que constroem sets sem brilho, se mantendo sempre na confortável zona da cena mainstream. E são esses que inflamam o mercado do “Tech” sem irreverência, sem criatividade, sem expectativa.

Hoje podemos dizer que o Tech House está ressurgindo das cinzas como uma fênix (estou um pouco dramática nessa frase..rs), o que não é ruim, particularmente eu sempre fui grande fã do gênero.  O groove incansável, a mistura dinâmica entre o House e o Techno quando bem feita, mostrando os melhores elementos das duas vertentes, é capaz de levar as pistas a dançar como se não houvesse amanhã. Quem nunca presenciou uma pista dessas ao som de Tech House?! No Brasil, principalmente, já estava mais do que na hora de um novo gênero (re)tomar as rédeas. Quem ainda não está farto desse eletrônico pop com vocais que mais parecem sertanejo eletrônico, tocando incessantemente nas rádios mais populares, dia e noite? A verdade é que nem precisamos de bons DJs nas baladas, se ligarmos o rádio provavelmente o público nem percebe a diferença.

Fica aberta aqui a questão: será que a nova “safra” desafiará a mesmice, honrando a velha e boa robustez e alma do original Tech House, levando-o à frente com elegância inovadora?

Quem serão os novos pioneiros, aqueles que renunciarão ao estereotipado, criando tracks atemporais clássicas?…

Resolvi escrever sobre isso ao ler hoje uma matéria falando sobre um lançamento do David Guetta & Tom Staar – This Ain’t Techno, uma track que mistura “Big Room”ao Tech House!! Tá aí um cara que sempre se reinventa, David Guetta, que merece todo nosso respeito. Não que essa track represente exatamente o que eu falei até aqui, mas vale a menção quando o assunto é criatividade.

Pra finalizar, sempre é bom ressaltar, que a House Music e o Techno, são as raízes de tudo que floresce na música eletrônica. Todos os diferentes gêneros que temos hoje são a nova geração do House e do Techno, que juntos, influenciam o nascimento de tantos subgêneros. Com a evolução da tecnologia, produzir música se tornou possível pra muito mais gente hoje do que há alguns anos. Agora qualquer um pode criar música e tocar com o click de um botão, mas isso deveria ser o motor impulsionador da criatividade. O Tech House terminou 2018 grande, entrando com os dois pés no ano atual, e eu mal posso esperar pra descobrir que caminho trilhará, que tendências ditará. Enquanto isso, na sala de justiça, nós continuamos aguardando as cenas dos próximos capítulos…

A EPIDEMIA TECH HOUSE ESTÁ DE VOLTA, MAS SERÁ QUE PODEMOS ESPERAR ALGUMA NOVIDADE NO GÊNERO?

Quando o Tech House surgiu, por volta de 1994 em Londres, foi muito bem recebido pela cena eletrônica pois combinava os melhores elementos do House e do Techno. As pessoas estavam um pouco entediadas com a House Music, sedentas por elementos mais marcantes, talvez com um pouco mais de obscuridade. E foi aí que o casamento com o Techno foi sacramentado.

O Tech House originalmente continha uma linha de baixo robusta e as batidas curtas, mais rápidas e metalizadas dos hi-hats bem marcados, recebendo como complemento, não menos importante, a harmonia e grooves da House Music. Era fruto de uma produção limpa e minimalista, associada ao Techno de Detroit e Reino Unido. Na época, artistas como Charles Webster, Bushwacka,  Funk D’Void, Derrick Carter e Stacey Pullen iniciavam o movimento “Tech” em clubs como The End, que no Reino Unido era considerada a casa do Tech House.

Nos anos 2000 o estilo se espalhou pela Europa através da adesão de artistas como Carl Cox e Joris Voorn, tornando-se assim muito popular na cena underground. Mas como nem tudo são flores, em algum momento o gênero deixou de se reinventar, passando a ser produzido em série. Sempre com a mesma “receita de bolo”, caiu no “buraco negro”, no qual praticamente todos os sons da moda caem: o da mesmice. Faixas com uma linha de baixo de duas notas, loops de cymbals  extremamente barulhentos, e shots de vocais ininteligíveis. A maioria dos produtores apenas segue a “boiada”, com medo de inovar, e acabam tornando o gênero repetitivo, desinteressante e genérico. Tracks que serão esquecidas em cinco minutos, e talvez seja por esse motivo que poucos conseguem produzir as chamadas clássicas, as eternas que sempre serão atuais como “Body Language”- M.A.N.D.Y & Booka Shade (2006). Qualquer pessoa que acompanha os massivos lançamentos de Tech House nas plataformas de música, percebe a proliferação do gênero, com tracks clássicas das raves reembaladas, nossos antigos hinos transformados em bastardos mutantes. Não que isso já não tenha acontecido com outros estilos anteriormente…

Obviamente ainda podemos encontrar pérolas nesse marzão de reinterpretações medíocres e das fórmulas insistentes. Aqueles artistas que produzem um Tech House de respeito, tracks ousadas, com aquela linha de baixo rugindo e rasgando groove. Mas, os desse tipo, são totalmente engolidos e ofuscados pela massa dos produtores em série. E os DJ’s tem grande participação nisso tudo: existem os que usam o belo Tech House como uma ferramenta, aqueles que selecionam suas tracks pela construção, pela surpresa que cada uma delas apresenta no decorrer da história que está contando. Existem os que usam como muleta, selecionando os bootlegs de músicas consagradas, forçadas a se enquadrarem no gênero. Djs que constroem sets sem brilho, se mantendo sempre na confortável zona da cena mainstream. E são esses que inflamam o mercado do “Tech” sem irreverência, sem criatividade, sem expectativa.

Hoje podemos dizer que o Tech House está ressurgindo das cinzas como uma fênix (estou um pouco dramática nessa frase..rs), o que não é ruim, particularmente eu sempre fui grande fã do gênero.  O groove incansável, a mistura dinâmica entre o House e o Techno quando bem feita, mostrando os melhores elementos das duas vertentes, é capaz de levar as pistas a dançar como se não houvesse amanhã. Quem nunca presenciou uma pista dessas ao som de Tech House?! No Brasil, principalmente, já estava mais do que na hora de um novo gênero (re)tomar as rédeas. Quem ainda não está farto desse eletrônico pop com vocais que mais parecem sertanejo eletrônico, tocando incessantemente nas rádios mais populares, dia e noite? A verdade é que nem precisamos de bons DJs nas baladas, se ligarmos o rádio provavelmente o público nem percebe a diferença.

Fica aberta aqui a questão: será que a nova “safra” desafiará a mesmice, honrando a velha e boa robustez e alma do original Tech House, levando-o à frente com elegância inovadora?

Quem serão os novos pioneiros, aqueles que renunciarão ao estereotipado, criando tracks atemporais clássicas?…

Resolvi escrever sobre isso ao ler hoje uma matéria falando sobre um lançamento do David Guetta & Tom Staar – This Ain’t Techno, uma track que mistura “Big Room”ao Tech House!! Tá aí um cara que sempre se reinventa, David Guetta, que merece todo nosso respeito. Não que essa track represente exatamente o que eu falei até aqui, mas vale a menção quando o assunto é criatividade.

Pra finalizar, sempre é bom ressaltar, que a House Music e o Techno, são as raízes de tudo que floresce na música eletrônica. Todos os diferentes gêneros que temos hoje são a nova geração do House e do Techno, que juntos, influenciam o nascimento de tantos subgêneros. Com a evolução da tecnologia, produzir música se tornou possível pra muito mais gente hoje do que há alguns anos. Agora qualquer um pode criar música e tocar com o click de um botão, mas isso deveria ser o motor impulsionador da criatividade. O Tech House terminou 2018 grande, entrando com os dois pés no ano atual, e eu mal posso esperar pra descobrir que caminho trilhará, que tendências ditará. Enquanto isso, na sala de justiça, nós continuamos aguardando as cenas dos próximos capítulos…

Processing…
Success! You're on the list.

O Futuro da Dance Music

Construindo os fatos…

O ano de 2018 chegou ao fim com um calendário padrão da dance music. Entre a semana da música em Miami e o ADE, o IMS e mais uma temporada de Ibiza e festivais como EDC Las Vegas, Tomorrowland e Creamfields, passaram uma série de artistas (DJs), considerados joias da coroa na indústria. Mas esse ano em particular encerrou cheio de incertezas, com a dance music equilibrando-se nas mais delicadas cordas bambas, pela primeira vez na última década.

A arte em geral tem o hábito de trabalhar grupos de tendências, ditadas por artistas inovadores da indústria.  Nos anos 80 tivemos a viagem do House de Chicago para Nova York (Studio 54), e ninguém imaginaria o impacto que ele teria no próximo meio século. Já a cena Techno continuava a crescer em Detroit, devido aos elementos minimalistas da música; e nos anos 90 armazéns e raves ilegais se tornando pratica comum em Londres. No final do século, artistas como Paul Van Dyk, Ferry Corsten, Paul Okenfold e Tiesto abriram o caminho para explosão do trance, dando um sabor comercial para os lasers e canhões de gelo em clubs famosos como Amnesia Ibiza. No final da primeira década a dance music alcançou o mainstream, explodindo com o codinome “EDM”. Linhas de dance e pop sendo mescladas, dominando o topo das paradas no mundo todo, com suas letras sendo cantadas nas pistas de dança.

Com a mudança na dinâmica para a indústria vimos artistas que já haviam desfrutado sabores um tanto underground, como David Guetta, emplacando três singles consecutivos no Top 1 do Reino Unido em apenas dois meses. Guetta sofreu muitas críticas ao fazer colaborações com artistas de R&B, mas foi a partir daí que provou ser um inovador (aquele cara que dita as tendências que mencionei acima), e assim moldou o curso da dance music para sempre. Diversidade artística e irreverência, quando bem sucedias, são amplamente elogiadas e frequentemente criticadas.

Entre 2010-2013 tivemos a famosa “era de ouro da “EDM”, e a partir desse ponto passou a não mostrar sinais de estouro, tornando-se uma grande “bolha”. No entanto, Avicii estava no auge de sua carreira, produzindo um som melódico jamais visto antes na dance music e decidiu estrear uma mudança de gênero no festival mais importante de música eletrônica do mundo, o Ultra. Tocando faixas de um álbum inédito de country & western-infused levou a música eletrônica para a vanguarda da cobertura da mídia. O menino prodígio foi rotulado por alguns sites como sendo “muito avançado para a dance music”, mas em alguns meses, com o hit “Wake Me Up”, ganhou álbum de platina, acumulando mais de um bilhão de plays no Spotify. E mais um pioneiro nasceu. Paralelamente, a “aposentadoria” do trio Swedish HouseMafia impulsionou  uma série de novos sub-gêneros, como o “Dirty Dutch” que levou Hardwell ao primeiro lugar dos Top100 da DJ Mag. E nos anos seguintes, Dimitri Vegas & Like Mike e Martin Garrix levaram o prêmio ainda com o estilo “Big Room”, que acabou ficando cada vez mais melódico, mostrando uma grande mudança de direção na indústria.

O cenário mudou diversas vezes, com a chegada do “Future House” e a ascensão do Trap, e oscilou muito por diversos sub-gêneros, numa busca infinita de identidade.

A expectativa para este ano é enorme, pois finalmente o Swedish House Mafia retornou às pistas, no Ultra do ano passado, reacendendo a chama no coração dos amantes do Big Room. O trio que indiscutivelmente foi um dos maiores expoentes da dance music de todos os tempos está de volta para moldar o futuro da indústria, já que as tendências são influenciadas por pioneiros. O Swedish House Mafia alcançou feitos nunca antes vistos na dance music e sua ausência só aumentou sua reputação. Se encontram como super estrelas globais na escala Beyonce, Drake, Justin Bieber. Os fãs criaram uma grande esperança para o retorno também da “era de ouro” da “EDM”, mas pudemos notar a mudança de tom do trio ao apresentar um som bem mais “pesado” em Miami na ultima edição do Ultra. 2019 com certeza será um ano de novos movimentos, novas sonoridades, com linhas de baixos marcantes e todo o imprevisível apaixonante de velhos e novos ditadores de tendências. De qualquer forma a arte, a música sempre com sua natureza emocionante nos deixando em um grande estado de expectativa!

Aguardamos as cenas dos próximo capítulos…

THE FUTURE OF DANCE MUSIC

Building the Facts…

The year 2018 came to an end with a standard dance music calendar. Between the music week in Miami and the ADE, the IMS and another season in Ibiza and festivals like EDC Las Vegas, Tomorrowland and Creamfields, passed a series of artists (DJs), considered crown jewels in the industry. But this particular year closed off with uncertainties, with dance music balancing on the most delicate wobbly strings for the first time in the last decade.

Art in general has a habit of working groups of trends dictated by innovative artists in the industry. In the ’80s we had the trip from the Chicago House to New York (Studio 54), and no one would have imagined the impact it would have on the next half century. The Techno scene continued to grow in Detroit due to the minimalist elements of the song; and in the 1990s illegal warehouses and raves becoming common practice in London. At the end of the century, artists like Paul Van Dyk, Ferry Corsten, Paul Okenfold and Tiesto paved the way for trance blast, giving a commercial flavor to lasers and ice cannons at famous clubs like Amnesia Ibiza. At the end of the first decade dance music reached the mainstream, exploding with the codename “EDM”. Dance and pop lines are merged, dominating the top charts worldwide, with lyrics being sung on dance floors.

With the change in dynamics for the industry we saw artists who had already enjoyed somewhat underground flavors like David Guetta, scoring three consecutive UK Top 1 singles in just two months. Guetta suffered a lot of criticism when doing collaborations with R & B artists, but it was from there that he proved to be an innovator (that guy who dictates the trends I mentioned above), and so shaped the dance music course forever. Artistic diversity and irreverence, when successful, are widely praised and often criticized.

Between 2010-2013 we had the famous “golden era” of “EDM”, and from that point on it did not show signs of overflow, becoming a big “bubble”. However, Avicii was at the height of her career, producing a melodic sound never before seen in dance music and decided to debut a gender change at the world’s most important electronic music festival, the Ultra. Playing tracks from an unreleased country & western-infused album has brought electronic music to the forefront of media coverage. The prodigy boy was labeled by some sites as being “too advanced for dance music,” but in a few months, with the hit “Wake Me Up”, he won platinum album, accumulating more than a billion plays in Spotify. And another pioneer was born. At the same time, the “retirement” of the Swedish HouseMafia trio boosted a number of new sub-genres, such as “Dirty Dutch” that brought Hardwell to the top spot in DJ Mag’s Top100. In the following years Dimitri Vegas & Like Mike and Martin Garrix took the prize still with the style “Big Room”, that ended up becoming more and more melodic, showing a great change of direction in the industry.

The scenario changed several times, with the arrival of the “Future House” and the rise of Trap, and it oscillated very much by diverse subgenera, in an infinite search of identity.

The expectation for this year is huge, as finally the Swedish House Mafia returned to the tracks at Ultra last year, rekindling the flame in the heart of the Big Room lovers. The trio that arguably was one of the greatest exponents of dance music of all time is back to shape the future of the industry, since the trends are influenced by pioneers. The Swedish House Mafia achieved achievements never before seen in dance music and its absence only increased its reputation. They meet as global super stars on the Beyonce, Drake, Justin Bieber scale. The fans created a great hope for the “golden age” of “EDM” as well, but we could see the tone change of the trio by presenting a much more “heavy” sound in Miami in the last edition of Ultra. 2019 will surely be a year of new moves, new sonorities, with striking bass lines and all the unpredictable passionate of old and new trend dictators. Anyway the art, the music always with its exciting nature leaving us in a great state of expectation!

We are waiting for the scenes from the next chapters…

My Latest Release

Did you guys have a chance to listen to my last single yet? How do you like it? Check it out on SoundCloud (link below) 📷🎧💀 #mixset #dj #djset #djlife #deephouse #techhouse #housemusic #partytime #nightlife #pioneer #ableton #music 
https://vanstorckmusic.com/portfolio/no-more-nothing/

Processing…
Success! You're on the list.